Procuramos minimizar os riscos associados ao uso de drogas e à sexualidade; comportamentos cujas eventuais consequências negativas, a nível individual e comunitário, podem ser atenuadas através de intervenções adequadas. Adicionalmente, focamo-nos na investigação de meios progressivamente mais eficazes de proteger os nossos beneficiários – trabalhadores sexuais, pessoas que usam drogas e populações em situação de vulnerabilidade – assim como as comunidades que estes integram. Assumimos como preocupação fundamental a promoção da saúde e defesa dos direitos humanos das pessoas com as quais trabalhamos, através de projetos desenhados com o seu envolvimento ativo e que visam o bem-estar e saúde de todos.

Promovemos o bem-estar dos indivíduos e fomentamos estilos de vida saudáveis em contextos diversificados como escolas, comunidades locais e estabelecimentos prisionais, fazendo uso de estratégias de intervenção devidamente adaptadas às características sociodemográficas, dinâmicas sociais e contextos de cada grupo-alvo.

Sendo que os estilos de vida constituem um conjunto de hábitos adquiridos em áreas como a alimentação, sexualidade e prática de exercício físico, a educação para a saúde serve-se de um conjunto de estratégias que permitem o desenvolvimento de comportamentos mais saudáveis, de maior capacidade de adaptação aos contextos de vida e de manutenção da saúde mental. Pretendemos disseminar conhecimentos sobre fatores protetores da saúde e facilitar o desenvolvimento de atitudes e comportamentos no indivíduo passíveis de permitir uma estruturação quotidiana dos seus hábitos facilitadora do seu bem-estar físico, mental e social.

Reconhecemos o papel central do trabalho enquanto mecanismo socializador que contribui para a definição dos indivíduos em sociedade. Dirigindo-nos, particularmente, a pessoas em situação de vulnerabilidade social - desempregados, reclusos, utilizadores de drogas, entre outros públicos - desenvolvemos, neste âmbito, ações promotoras do emprego, da reinserção social e da participação no espaço público. Para as populações mais vulneráveis, o acesso a um trabalho com condições justas e adaptadas reflete-se ao nível identitário, da ativação de laços sociais e da saúde física e mental, contribuindo para percursos de reintegração social sustentáveis. É assim premente envolver neste processo distintos atores sociais, nomeadamente os empregadores, decisores públicos e comunidades locais. Promover a inclusão pelo trabalho afigura-se como um desafio acrescido na atual fase de desenvolvimento das sociedades capitalistas, marcadas por fenómenos de desemprego crescente, relações laborais instáveis e pobreza associada ao trabalho.

Orientamo-nos para o trabalho realizado em colaboração com os países do Sul, através de projetos vocacionados para a intervenção, consultoria, formação-ação e advocacy. Cooperamos com as comunidades interessadas na implementação de intervenções orientadas para o desenvolvimento integrado, abrangendo áreas diversificadas como a educação para a saúde, educação para a cidadania, capacitação organizacional e o desenvolvimento de infraestruturas. Somos em simultâneo detentores e promotores de uma visão aberta acerca do desenvolvimento das populações, entendendo-o como um processo de emancipação de indivíduos e coletivos. Assim, assumimos como fundamental para o sucesso de uma efetiva cooperação o respeito pelas comunidades e pelas autoridades tradicionais, assim como a articulação com movimentos sociais locais.